09/03/2009

Capoeira e Inclusão Social

Postado por Dulce Miller às 00:01
A CAPOEIRA NASCEU DA LUTA DE UM POVO OPRIMIDO EM BUSCA DE LIBERDADE. A QUESTÃO DA INCLUSÃO ESTÁ NA ESSÊNCIA DA CAPOEIRA, JÁ QUE ELA FOI CONCEBIDA POR GRUPOS SOCIAIS EXCLUÍDOS. AO LONGO DE SUA HISTÓRIA, SEMPRE ESTEVE ASSOCIADA ÀQUELES QUE VIVERAM À MARGEM DA SOCIEDADE, MAS QUE SEMPRE LUTARAM PELA AFIRMAÇÃO DE SUA IDENTIDADE, DIREITOS E VALORES CULTURAIS. POR ISSO, A CAPOEIRA TEM GRANDE VOCAÇÃO PARA INCLUIR E AGREGAR PESSOAS. NA RODA DE CAPOEIRA, PARTICIPAM HOMENS E MULHERES DE TODAS AS ORIGENS, IDADES, CREDOS RELIGIOSOS, CONDIÇÕES ECONÔMICAS E GRAUS DE INSTRUÇÃO. AO SOM DO BERIMBAU, TODOS SÃO CIDADÃOS DO MUNDO, EM BUSCA DE QUALIDADE DE VIDA E DE JUSTIÇA SOCIAL.
FILOSOFIA INCLUSIVA
Inclusão social é uma filosofia de trabalho e, para que ela exista, é preciso ter comprometimento com a causa das minorias, dos menos favorecidos e dos que se sentem excluídos. Nesse sentido, a inclusão social deve ser entendida como um processo, uma construção coletiva, que busca a superação da discriminação, do preconceito, da intolerância, das desigualdades e dos conceitos estereotipados. Cada um de nós carrega em si uma dificuldade, um limite que se manifesta no encontro com o outro. Nesse processo de negociação, é preciso enxergar os pontos de vista pessoais, alheios e coletivos, encontrando respostas equilibradas, que promovam unidade, cooperação e camaradagem. Cada situação do dia a dia oferece-nos oportunidades de trabalhar em prol da inclusão. Na família, na escola, no bairro, no trabalho... é preciso gingar sempre no jogo da inclusão social.
PEDAGOGIA DA INCLUSÃO
A capoeira que se propõe ser inclusiva deve ser cuidadosa em seus métodos e em suas bases pedagógicas. Deve promover a reflexão e o exercício diário dos valores. Deve ter como base a afetividade e o estabelecimento de vínculos saudáveis e construtivos que contribuam para a formação da identidade dos seus praticantes. Em todo o Brasil, têm proliferado os trabalhos do terceiro setor em diversos projetos junto às comunidades. A capoeira vem ocupando espaço de destaque nesse contexto e oferecendo contribuições significativas para a inclusão social.
CAPOEIRA E INCLUSÃO SOCIAL Gradativamente, a capoeira vem promovendo inclusão de pessoas que, até bem pouco tempo, estavam distantes e separadas da sua prática. A presença das mulheres, por exemplo, era um acontecimento raro. Havia muito poucas. As que se arriscavam a entrar na roda ganhavam notoriedade. Aos olhos do preconceito, capoeira sempre foi coisa para homens, “como é possível uma mulher pensar em misturar-se neste ambiente?”. Nos últimos anos, essa realidade vem sendo modificada radicalmente e, em alguns grupos, as mulheres chegam a ser maioria nas aulas e nas rodas. São realizados encontros femininos de capoeira, nos quais são discutidos temas relacionados com a afirmação e a valorização da mulher na e por meio da capoeira. Na capoeira não existe distinção entre roda feminina e masculina. São iguais as possibilidades para mulheres e homens, que jogam, cantam e tocam de igual para igual. Existem respeito e integração de gênero.
CAPOEIRA DOS OITO AOS OITENTA
Crianças a partir de dois anos de idade tem iniciado sua prática em escolas no Brasil e no mundo. Em muitos centros educacionais, tem sido reconhecido todo o potencial da capoeira como instrumento de desenvolvimento integral do ser humano. Mais recentemente, importantes trabalhos foram realizados com pessoas idosas, que têm demonstrado ser a modalidade uma excelente aliada na promoção da sua qualidade de vida. Cada um joga dentro de suas capacidades, dos seus limites e muitas vezes esses limites são mais amplos do que se imagina. E mesmo quem acreditava não ser capaz, pode se surpreender com as possibilidades que a capoeira oferece em termos de movimentos e de convivência social.
CAPOEIRA ESPECIAL
Quando falamos em inclusão não podemos deixar de falar dos portadores de necessidades especiais, entre essas o que é mais importante: a capacidade de acreditar na vida e de superar limites, dar a volta por cima, desenvolver o seu potencial e alcançar seus objetivos. Também para essas pessoas, a capoeira tem representado um grande instrumento de desenvolvimento biológico, psíquico e social. Os portadores de necessidades especiais conseguem aderir à prática da capoeira, seja realizando movimentos, tocando ou cantando. Muitas novas metodologias têm sido desenvolvidas para o ensino da capoeira para essa população. Cada vez mais, vemos a capacidade de inclusão da capoeira ser ampliada. Há grupos de trabalhos constituídos exclusivamente por portadores de necessidades especiais e há grupos heterogêneos compartilhando o mesmo espaço, o que tem trazido resultados surpreendentes. Pessoas são especiais por diversos motivos, mas principalmente por terem um nível de sensibilidade diferenciado. O que em um primeiro momento pode gerar uma limitação, na verdade passa a ser um desafio, que, quando superado, traz felicidade e realização pessoal.
Fonte aqui
Este post faz parte da blogagem coletiva promovida pelo blog Esterança

16 comentários:

Sonia Regly on 9 de março de 2009 00:06 disse...

Amiga querida,
Obrigada por me prestigiar com sua visitinha e comentário.Adorei!!!! Que esse dia tenha sido de alegrias e grandes realizações.Beijos.

Leandro Neres on 9 de março de 2009 02:14 disse...

Du, Feliz dia das mulheres!!!
Bjos!
Leandro

Nina on 9 de março de 2009 06:43 disse...

Que bacana ver idosos e pessoas com deficiencia fisica participando disso! Adorei!! Capoeira é mt bom pras criancas desenvolverem tbm sua auto estima ...

D.Ramírez on 9 de março de 2009 09:55 disse...

Essas atitudes fazem uma diferença enorme. Acredito que antes de uma inclusão social, tem que ter iniciativa social desse tipo. Senão pode virar minha tirita...incluir por obrigação pesoas não aptas é complicado.
Uma vez, gastei um cartao de gigas em minutos fotografando uma roda de capoeira..e teria espaço pra mais fotos.
Belo post.

Besos

Su on 9 de março de 2009 10:11 disse...

Sim, sim... Capoeira e inclusão social tudo haver! Eu acho tão lindo, sabe?! Aqui tem várias rodas de capoeira que se apresentam em vários lugares da cidade e eu fico babando, acredita que eu nao sei jogar?! É uma vergonha, né?! Mas eu vou aprender!! =)

A partir do momento em que usamos a nossa cultura para nos aproximarmos das pessoas, estamos demonstrando humanidade. Jovens, adultos, crianças que se dedicam a essa dança tão linda e que através dela conseguem um lugar na sociedade. Pessoas que pregam a igualdade, a paz e o amor. Precisamos disso em nossa sociedade!!

Duzinha, amei seu post!!
Beijos no seu coração que é muito lindo!
Te amo

on 9 de março de 2009 11:10 disse...

Bela postagem minha linda.
Gostaria de estar participando, mas a cabeça não tá muito boa.
Inclusão social é uma das formas mais corretas de ajudar nosso povo . E o que é melhor faz aproximar as pessoas, principalmente aqueles que sofrem todo tipo preconceito.
Beijos filha que a sua semana seja de paz e luz!

Vanessa on 9 de março de 2009 11:26 disse...

Du, parabéns pelo post, desta da capoeira especial eu ainda não sabia. A coletiva tá ótima. Bjs

Márcia(clarinha) on 9 de março de 2009 13:02 disse...

Gosto muito de Capoeira, meu filho mais novo joga Capoeira Angola, a raíz de calça preta e camisa amarela, aquela que é jogada no chão, rasteira, certeira.
Belo post flor querida.
lind dia
beijos

Fatima Cristina (www.fccdp.com) on 9 de março de 2009 20:06 disse...

Muito bom saber que a Capoeira também serve como meio de inclusao social!
Estou gostando muito de ler os vários e diferentes posts desta coletiva. E como eu sempre finalizo os meus comentários...
Espero viver o dia em que o acesso as oportunidades da vida chegue a TODAS as pessoas, com igualdade de direitos e benefícios.
Abraços, Fatima

Glayce Santos on 9 de março de 2009 20:15 disse...

Que delícia parte 2!
Primeiro, amei a foto nova no título!
Segundo, poxa, não participei dessa blogagem e estou me sentindo uma estranha no ninho...=/
Terceiro, capoeeeeeeeeeeira!
Du, que escolha excelente! \o/ A historia do nascimento da capoeira já é, por si só, divina!!!!
Uma inclusão saudavel e bela de se ver!
Parabéms pela escolha!
beijãozão, Du!

Compondo o olhar ... on 9 de março de 2009 21:08 disse...

lindo seu texto, parabens pela bela participação nesta gde idea, a blogagem coletiva.


abraços

Philip Rangel on 9 de março de 2009 21:32 disse...

Muitas vezes pergunto como que simples atos de verdade como foi desempenhado pela Ester, nos faz entrar nesse mundo magico de verdade; esse mundo que ao mesmo tempo falamos de algo serio, encontramos novos amigos, novos conteudos. Isso se chama mudança, isso é incluir na sociedade, mostrando o que somos capaz. E hoje ao ler seu conteudo deparo com varias suspresas como essa, que faz eu parabenizar a vc.. pelo excelente trabalho...

Continuemos....abraços

"A gente nao faz amigos, reconhece- os"
Vinicius de MOrais

Éverton Vidal on 9 de março de 2009 21:37 disse...

Du que massa que é esta sua postagem.
Gostei da criatividade! Nossa, nem tenho muito o que dizer. Devorei mesmo.

Parabéns.
Inté!

Zani on 9 de março de 2009 22:17 disse...

Oi Du.
Teu post ficou ótimo,aqui perto tem um programa para crianças carentes,são varias atividades e uma delas é a capoeira que por exigir disciplina ajuda a mante-las longe das ruas, drogas e etc... além de ajudar a mante-los na escola.
bjs

crazyseawolf on 10 de março de 2009 20:13 disse...

Parabéns pelo post!!! :o)

Natália on 11 de março de 2009 18:23 disse...

Duzinha, você teve uma sensibilidade e uma visão que eu não teria nesse post.
Se fosse pra eu falar de inclusão social, provavelmente, eu cairia num senso comum de dar aquela panorâmica, e não me prender em algum ponto, como você sabiamente o fez.

Eu acho capoeira bem bonito de se ver e se ouvir. Melhor seria se eu soubesse jogar, mas eu não sei. =/

Beijo, Duzinha

 

a moça do sonho © 2012 Web Design by Ipietoon Blogger Template and Home Design and Decor Vector by Webdesignhot