Fragmentos de Lya Luft

29/05/2011


“Não queremos perder, nem deveríamos perder: saúde, pessoas, posição, dignidade ou confiança. Mas perder e ganhar faz parte do nosso processo de humanização.”
“Perder, dói! Não adianta dizer NÃO SOFRA, NÃO CHORE; só não podemos ficar parados no tempo chorando nossa dor diante das nossas perdas.”
“Homens são passos; mulheres são perfumes que se aproximam, param e se esquivam, sem lançar raízes nessa treva. Beijam-se às vezes, como num murmúrio, pra depois, num mundo só de beijos...”
“... acho que a vida é um processo... É como subir uma montanha. Mesmo que no fim não se esteja tão forte fisicamente, a paisagem visualizada é melhor.”
“Um anjo vem todas as noites: senta-se ao pé de mim, e passa sobre meu coração a asa mansa, como se fosse meu melhor amigo. Esse fantasma que chega e me abraça (asas cobrindo a ferida do flanco) é todo o amor que resta entre ti e mim, e está comigo.”
“Se não conheço os mapas, escolho o imprevisto: qualquer sinal é um bom presságio.”
“A quatro mãos escrevemos o roteiro para o palco de meu tempo: o meu destino e eu. Nem sempre estamos afinados, nem sempre nos levamos a sério.”
Canção na plenitude
Não tenho mais os olhos de menina
nem corpo adolescente, e a pele
translúcida há muito se manchou.
Há rugas onde havia sedas, sou uma estrutura
agrandada pelos anos e o peso dos fardos
bons ou ruins.
(Carreguei muitos com gosto e alguns com rebeldia.)
O que te posso dar é mais que tudo
o que perdi: dou-te os meus ganhos.
A maturidade que consegue rir
quando em outros tempos choraria,
busca te agradar
quando antigamente quereria
apenas ser amada.
Posso dar-te muito mais do que beleza
e juventude agora: esses dourados anos
me ensinaram a amar melhor, com mais paciência
e não menos ardor, a entender-te
se precisas, a aguardar-te quando vais,
a dar-te regaço de amante e colo de amiga,
e sobretudo força — que vem do aprendizado.
Isso posso te dar: um mar antigo e confiável
cujas marés — mesmo se fogem — retornam,
cujas correntes ocultas não levam destroços
mas o sonho interminável das sereias.
“A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada.”
“Há gente que, em vez de destruir, constrói; em lugar de invejar, presenteia; em vez de envenenar, embeleza; em lugar de dilacerar, reúne e agrega.”
“Apesar das minhas fragilidades, avanço.”
“Pois viver deveria ser - até o último pensamento e derradeiro olhar - transformar-se.”
“As pessoas são responsáveis e inocentes em relação ao que acontece com elas, sendo autoras de boa parte de suas escolhas e omissões.”
“Porque entre o sim e o não é só um sopro, entre o bom e o mau apenas um pensamento, entre a vida e a morte só um leve sacudir de panos - e a poeira do tempo, com todo o tempo que eu perdi, tudo recobre, tudo apaga, tudo torna simples e tão indiferente.”
“Lembro-me de ti
Nesse instante absoluto,
A vida conduzida por um fio de música.
Intenso e delicado, ele vai-nos fechando num casulo
Onde tudo será permitido.
Se é só isso que podemos ter,
Que seja forte. Que seja único.
Tão íntimo quanto ouvirmos a mesma melodia,
Tendo o mesmo - esplêndido - pensamento.”
“Termino o livro e fecho o computador sabendo que por mais que os escritores escrevam, os músicos componham e cantem, os pintores e escultores joguem com formas, cores e luzes -, por mais que o contexto paralelo da arte expresse o profundo contraditório sentimento humano, embora dance à nossa frente e nos convoque até o último fio de lucidez, o essencial não tem nome nem forma: é descoberta e assombro, glória ou danação de cada um"
“Apesar de todos os medos, escolho a ousadia.Apesar dos ferros, construo a dura liberdade.Prefiro a loucura à realidade, e um par de asas tortas aos limites da comprovação e da segurança.Eu, (..........), sou assim.
Pelo menos assim quero fazer: a que explode o ponto e arqueia a linha, e traça o contorno que ela mesma há de romper. A máscara do Arlequim não serve apenas para o proteger quando espreita a vida, mas concede-lhe o espaço de a reinventar.Desculpem, mas preciso lhes dizer: EU quero o delírio.”
“Eu queria solidão, para não ferir aos outros nem ser machucada.”
“Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, mas alguma vez aquieta; a ansiedade tem pés ligeiros, mas alguma vez resolve sentar-se à beira dessas águas. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um começo de sabedoria, e dói. Dói controlar o pensamento, dói abafar o sentimento, além de ser doloroso parece pobre, triste e sem sentido. Amar era tão infinitamente melhor; curtir quem hoje se ausenta era tão imensamente mais rico. Não queremos escutar essa lição da vida, amadurecer parece algo sombrio, definitivo e assustador. Mas às vezes aquietar-se e esperar que o amor do outro nos descubra nesta praia isolada é só o que nos resta. Entramos no casulo fabricado com tanta dificuldade, e ficamos quase sem sonhar. Quem nos vê nos julga alheados, quem já não nos escuta pensa que emudecemos para sempre, e a gente mesmo às vezes desconfia de que nunca mais será capaz de nada claro, alegre, feliz. Mas quem nos amou, se talvez nos amar ainda há de saber que se nossa essência é ambigüidade e mutação, este silencio é tanto uma máscara quanto foram, quem sabe, um dia os seus acenos.”
“Lembro-me do passado, não com melancolia ou saudade, mas com a sabedoria da maturidade que me faz projetar no presente aquilo que, sendo belo, não se perdeu.”
“Meu coração se transforma a cada experiência. Mas ainda palpita, sobressalta e se assusta. Ainda é vulnerável como quando eu tinha dez anos.”
“O amor nos tira o sono, nos tira do sério, tira o tapete debaixo dos nossos pés, faz com que nos defrontemos com medos e fraquezas aparentemente superados, mas também com insuspeitada audácia e generosidade. E como habitualmente tem um fim - que é dor - complica a vida. Por outro lado, é um maravilhoso ladrão da nossa arrogância. / Quem nos quiser amar agora terá de vir com calma, terá de vir com jeito. Somos um território mais difícil de invadir, porque levantamos muros, inseguros de nossas forças disfarçamos a fragilidade com altas torres e ares imponentes./ A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura./ Às vezes é preciso recolher-se.”

9 comentários:

  1. Du,

    Obrigado por prestigiar a blogagem coleetiva "Professores do Brasil", mesmo sem estar participando.

    Desculpe-me por não comentar no seu post. Volto aqui mais tarde para dar minha opinião.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. "“O amor nos tira o sono, nos tira do sério, tira o tapete debaixo dos nossos pés, faz com que nos defrontemos com medos e fraquezas aparentemente superados, mas também com insuspeitada audácia e generosidade. E como habitualmente tem um fim - que é dor - complica a vida. Por outro lado, é um maravilhoso ladrão da nossa arrogância. / Quem nos quiser amar agora terá de vir com calma, terá de vir com jeito. Somos um território mais difícil de invadir, porque levantamos muros, inseguros de nossas forças disfarçamos a fragilidade com altas torres e ares imponentes./ A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura./ Às vezes é preciso recolher-se.”

    Lendo essa maravilha, essa lição de vida e maturidade e ouvindo a primeira música do meu blog...uia...dá vontade de sair dançando pela casa que é o que eu vou fazer. como é bom envelhecer Duzinha, a vida me ensinou demais, por isso sou como sou, feliz, amada e amando eternamente, não só ao meu maridão a todos, meus filhos, minhas filhas e meus amigos eternamente, mesmo que de longe e com uma vontade enorme de poder ter braços bem longos para poder aconchegar a todos bem juntinho do meu peito.
    Beijos filha minha te amo muitoooooooo!

    ResponderExcluir
  3. Oi, passei pra conhecer o seu blog, e desejar bom fds.
    bjss

    aguardo sua visita ;)

    ResponderExcluir
  4. O início das boas citações me lembraram o "poeminha" com que disseste ter-te identificado, que também falava de perdas e ganhos... Sintonias idílicas, então! Abração e parabéns para os professores de alma e de letra viva, como a Lya eternamente o é!

    P.S.: o comentário anterior foi meu, do Dilberto. Podes fazer as devidas correções?

    ResponderExcluir
  5. A Lya Luft tem uma sensibilidade encantadora. A minha mãe adora e de tanto ela gostar eu passei a gostar muito também.
    Um beijo pra você, Duzinha do meu coração!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Du,
    Já li vários fragmentos da Lya Luft como esses, mas nunca um livro completo dela, qual vc sugere?
    Bjos,
    Paulinha

    ResponderExcluir
  7. Parabéns por tão belos recortes e fragmentos. Engrandecem a alma.

    ResponderExcluir
  8. Juro que mesmo já tendo lido fragmentos tão lindos da Lya, nunca tive a oportunidade de ler um livro dela!

    Mas há de chegar esta hora!

    Bjos linda, desculpe meu sumiço!

    ResponderExcluir
  9. É preciso que me tomes

    E me ponhas no colo.

    Além do riso e do olhar.

    Do arrepio e do toque,

    Naquilo que não conheço e adivinhei;

    Naquilo que só agora eu sei.

    É preciso que me cantes a canção do que serei

    E me ponha no aconchego nos braços que chorei.

    E me cries com teu gesto que nem sonhei.

    E virou realidade, quando acordei

    ResponderExcluir

^ Suba