29 de mai de 2011

Fragmentos de Anna Akhmátova


    Aprendi a viver com simplicidade, com juízo, a olhar o céu, a fazer minhas orações, a passear sozinha até a noite, até ter esgotado esta angústia inútil.
    Enquanto no penhasco murmuram as bardanas e declina o alaranjado cacho da sorveira, componho versos bem alegres sobre a vida caduca, caduca e belíssima. Volto para casa.
    Vem lamber a minha mão o gato peludo, que ronrona docemente, e um fogo resplandecente brilha no topo da serraria, à beira do lago. Só de vez em quando o silêncio é interrompido pelo grito da cegonha pousando no telhado.
    Se vieres bater à minha porta, é bem possível que eu sequer te ouça.                               
      LENDO "HAMLET"                   
      I
      No cemitério, à direita, cobriu-se o túmulo de pé e, por trás dele, brotou um rio azul.
      Tu me disseste;
      "Então vai para o convento ou casa-te com um idiota..." Só os príncipes falam sempre assim.
      Mas eu lembro dessas palavras: deixem que elas flutuem por cem séculos como um manto de arminho jogado sobre os meus ombros.                 
      II
      E como por engano eu disse:
      "Tu..."
      Iluminou-se a sombra com o sorriso suave de meu amado. Esse é o tipo de deslize da língua que faz com que todo mundo fique te olhando...
      Mas eu te amo, como quarenta meigas irmãs.
                A MULHER DE LOT          
                “A mulher de Lot, que o seguia, olhou para trás e transformou-se numa estátua de sal.” Gênesis
                E o homem justo seguiu o enviado de Deus, alto e brilhante, pelas negras montanhas.
                Mas a angústia falava bem alto à sua mulher: "Ainda não é tarde demais; ainda dá tempo de olhar as rubras torres da tua Sodoma natal, a praça onde cantavas, o pátio onde fiavas, as janelas vazias da casa elevada onde destes filhos ao homem amado".
                Ela olhou e - paralisada pela dor mortal -, seus olhos nada mais puderam ver. E converte-se o corpo em transparente sal e os ágeis pés no chão enraizaram-se.
                Quem há de chorar por essa mulher?
                Não é insignificante demais para que a lamentem?
                E, no entanto, meu coração nunca esquecerá quem deu a própria vida por um único olhar.
                NO LUGAR DE UM EPÍLOGO
                E lá, onde os sonhos formavam-se para nós dois - sonhos não muito diferentes iam ficando guardados. Vimos o mesmo sonho, e havia força nele, como a chegada da primavera.
                    Ele gostava de três coisas neste mundo:
                    o coro das vésperas, pavões brancos e mapas da América já bem gastos.
                    Não gostava de crianças chorando, nem chá com geléia de framboesa e nem de mulheres histéricas ...
                    e eu era a mulher dele.
                    Vinte e um. Noite. Segunda-feira. A silhueta da cidade na neblina. Algum desocupado inventou essa história de que há amor no mundo.
                    E por preguiça ou por tédio, todos acreditaram nele e assim viveram: esperando encontros, temendo ruturas e cantando canções de amor. Mas a outros será revelado o segredo e sobre estes recairá o silêncio...
                    Eu tropecei nele casualmente e, desde então, sinto-me como se estivesse doente.
                    Último Brinde
                    Bebo ao lar em pedaços,
                    À minha vida feroz,
                    À solidão dos abraços
                    E a ti, num brinde, ergo a voz...
                    Ao lábio que me traiu,
                    Aos mortos que nada vêem,
                    Ao mundo, estúpido e vil,
                    A Deus, por não salvar ninguém.
                    (1934)
                    MÚSICA
                    Algo de miraculoso arde nela, fronteiras ela molda aos nossos olhos.
                    É a única que continua a me falar depois que todo o resto tem medo de estar perto.
                    Depois que o último amigo tiver desviado o seu olhar ela ainda estará comigo no meu túmulo, como se fosse o canto do primeiro trovão, ou como se todas as flores explodissem em versos. (1958)
                    TREZE  VERSOS
                    E finalmente pronunciaste a palavra não como quem se ajoelha,
                    mas como quem escapa da prisão e vê o sagrado dossel das bétulas através do arco-íris do pranto involuntário.
                    E à tua volta cantou o silêncio e um sol muito puro clareou a escuridão e o mundo por um instante transformou-se e estranhamente mudou o sabor do vinho.
                    E até eu, que fora destinada da palavra divina a ser a assassina, calei-me, quase com devoção, para poder prolongar esse instante abençoado. (1963)
                    À Noite
                    A música no jardim
                    tinha dor inexplicável.
                    Um cheiro de maresia
                    vinha das ostras no gelo.
                    Ele disse: "Sou fiel!"
                    e tocou-me no vestido.
                    Tão diverso de um abraço
                    era o toque dessas mãos.
                    Como quem acaricia
                    um gato ou um passarinho,
                    sorria, com os olhos calmos,
                    sob o ouro das pestanas.
                    A voz triste dos violinos
                    cantava, em meio à névoa:
                    "Dá graças a Deus que enfim
                    estás a sós com o amado".
                    (1913)

              Anna Akhmatova (Анна Ахматова, Анна Андреевна Горенко, 23 de Junho de 1889 - 5 Março 1966) é o pseudónimo de Anna Andreevna Gorenko, uma das mais importantes poetas acmeístas russas.)
              Começou a escrever poesia aos onze anos de idade, mas o pai, um engenheiro naval, temia que Anna viesse a desonrar o nome da família, convencido de estar a adivinhar hábitos decadentes associados à vida artística. Assim, assinou os seus primeiros trabalhos com o primeiro nome da sua bisavó, Tatar.
              Apesar do seu pai ter abandonado a família, quando Anna contava apenas dezasseis anos, conseguiu prosseguir os seus estudos. Portanto, não só estudou no liceu feminino de Tsarskoe Selo e no célebre Instituto Smolnyi de São Petersburgo, como também no Liceu Fundukleevskaia de Kiev e numa faculdade de Direito, em 1907.
              A obra de Akhmatova compõem-se tanto de pequenos poemas líricos como de grandes poemas, como o Requiem, um grande poema acerca do terror estalinista. Os temas recorrentes são o passar do tempo, as recordações, o destino da mulher criadora e as dificuldades em viver em escrever à sombra do estalinismo.
              Akhmatova nasceu perto de Odessa. Os seus pais separaram-se em 1905. Ela casa-se com o poeta Nikolaï Goumilev em 1910. O filho deles, nascido em 1912, é o historiador Lev Goumilev.
              Na generalidade, a sua obra é caracterizada pela aparente simplicidade e naturalidade e pela precisão e clareza da sua escrita.
              Morreu em 1966 em Leningrado.
              Biografia
              Estes fragmentos são dedicados à querida Re, do blog Coisas Assim.
              Imagem daqui

              8 comentários:

              1. Gostei demais de tudo!
                Muito, muito bom!

                Um bjo grande, Du.

                :)

                ResponderExcluir
              2. Nossa Du !!!!!
                Que lindo amiga !!!
                Que bom poder ter vc como minha amiga, MESMO.
                Sinto-me lisonjeada com tanto mimo.
                Simplesmente maravilhosa as poesias de Anna e da maneira como tu as colocou ficou mais bela ainda.
                Mas esta maravilha não é para mim mas sim para todos que apreciam a beleza da poesia.
                Penso que a poesia é o registro dos melhores e dos mais felizes momentos das melhores e mais felizes mentes.
                Sem palavras pra agradecê-la, minha amiga querida. Feliz mesmo.
                Muitíssimo obrigada
                Besos y cariño

                Pra ti esta:

                Último Brinde

                Bebo ao lar em pedaços,

                À minha vida feroz,

                À solidão dos abraços

                E a ti, num brinde, ergo a voz...

                Ao lábio que me traiu,

                Aos mortos que nada vêem,

                Ao mundo, estúpido e vil,

                A Deus, por não salvar ninguém.

                ResponderExcluir
              3. Nossa quanta beleza ! Coisas tão antigas e tão atuais aina. Não a conhecia. Adorei tudo! Parabéns pelo post e pela cultura. A gente sempre aprende aqui. bjão

                ResponderExcluir
              4. Olá!

                passei por aqui!!!
                =D

                ______
                ____(_)_
                __(_)O(_)
                ____(_)
                ____ \/
                ___ \\|//

                Uma boa semaninha para vc, meu amigo(a)!!!


                Que sua presença,
                seja sempre um sopro de ar puro
                para o ambiente em que estiver.

                Que sua pessoa seja digna de confiança,
                mas com um toque de criatividade.
                Disponível, mas sem esquecer-se de si.

                Incansável pelo ideal,
                mas satisfeita com a vida.
                Ligada aos amigos,
                mas capaz de pensar distante.

                Não conte os anos que já viveu,
                mas ame a vida simplesmente.
                Ocupe-se intensamente no que faz,
                sem pensar no que poderia ter feito.

                E se um dia já não puder seguir
                fisicamente o ritmo habitual,
                descubra mil outras coisas para fazer,
                outros mundos para explorar
                e pessoas para amar, mantendo a paz e o entusiasmo no espírito.

                Assim, muitos buscarão a sua amizade,
                pela sua alegria contagiante,
                pela sua inspiração que sugere,
                e, sobretudo pelo exemplo que proporciona
                de uma vida plenamente realizada.


                (autor desconhecido)


                COM CARINHO...Bjoooo
                ______
                ____(_)_
                __(_)O(_)
                ____(_)
                ____ \/
                ___ \\|//ღViViAn\\(^_^)// Sbrussi

                ResponderExcluir
              5. Olá linda menina, voltei.... como é bom passar por aqui e receber carinho para o coração, para a alma, beijos em seu coração!

                Rosana

                ResponderExcluir
              6. Não conhecia esta poeta ( não gosto muito do termo poetisa )
                Acho que o que há de mais belo em um poema é a sua cumplicidade com quem o lê. Assim estes fragmentos são perfeitos.

                Levar a todos o belo, o conhecimento, o afetivo, é o que justifica espaços como este.

                Parabéns.

                Voltarei outras vezes.

                ResponderExcluir
              7. Que lindo, Duzinha!
                Como tu sabe, eu sou mais prosa que poesia, logo, eu não conhecia essa mocinha aí. Na verdade, eu nunca nem tinha ouvido falar dela.
                É por isso que eu gosto de vir aqui, sempre tem alguma coisa nova pra aprender e algumas palavras bonitas pra apreciar.

                beijo, Du

                ResponderExcluir
              8. Que delicioso blog!!! Cheguei aqui pesquisando sobre Anna Akhmatova. Linkarei o endereço, para voltar outras vezes. Deixo abraços alados!

                ResponderExcluir

               

              a moça do sonho Template by Ipietoon Cute Blog Design and Waterpark Gambang