As incoerências da vida

16/12/2009



Foi como um flash-back de novela, tão nítido e limpo na minha mente que eu parei, do jeito que estava, para absorver aquela memória tão distante. Nada além dos meus 6 anos e a mãe pedindo pra eu buscar um refrigerante no armazém da esquina. Naquela época as garrafas de refrigerante eram de vidro, ainda não existiam as de plástico. Eu era uma coisinha minúscula e fui lá, antes do almoço, com o dinheiro contado enroladinho na mão.
O fato é que na porta do armazém, depois da compra, a garrafa escorregou das minhas mãos e se espatifou no chão! Sem dó da minha aflição, o dono do armazém disse com todas as letras que eu ia apanhar da minha mãe. Saí correndo na mesma hora sem saber direito o que fazer. Decidi que o melhor seria me esconder e foi o que fiz. Cheguei em casa, entrei pela porta dos fundos e fui pra debaixo da minha cama. Fiquei lá quietinha até ouvir minha mãe chorando desesperada depois de ter voltado do armazém sem ter me encontrado em lugar algum, duas horas de procura. Então eu gritei dali mesmo "eu tô aqui mãe, não chora"...
Pronto. Fui arrastada pelos braços de onde estava e levei uma surra inesquecível. Só muito tempo depois eu compreendi que não tinha apanhado porque quebrei a garrafa e sim porque resolvi me esconder por medo de apanhar.

Incoerência era a palavra e eu nem sabia o significado, mas sabia que era injusto apanhar, e chorei como uma criança pequena que eu era.

Quantas vezes na vida somos capazes de cometer o mesmo erro?
A solução que encontramos para os problemas pode ser como uma fuga, mas insistimos em achar que é o melhor caminho.

E a incoerência é o resultado de tudo, mais uma vez.

Imagem daqui 

18 comentários:

  1. Vc pergunta quantas vezes somos capazes de cometer o mesmo erro né Dú?

    Sabe prá mim essa questão é um pouco fácil de responder... venho cometendo erros sucessivos em minha vida já a algum tempo...
    Então um dia eu parei igual a vc e disse prá mim mesma:PERAÍ, EU POSSO PARAR COM ISSO!
    Desde então estou mudando pouco a pouco a minha vida e estou me sentindo feliz com o resultado...

    A propósito... Pq seu blog recebei o nome de A moça do Sonho?
    Achei o nome tão interessante...

    bjão

    ResponderExcluir
  2. Du

    A vida se traduz como uma incoerência de atitudes, de vontades e até de pensamento.
    Somos persuadidos dia a dia, planeja o que quer fazer coerentemente todos os dias
    A maioria das vezes se frustra! Vivemos esperando dias melhores
    A incoerência acaba por se apresentar como verdadeira constante, pois, a vida apresentará situações em que as atitudes não serão as esperadas, muitas vezes serão diferentes das desejadas ou pior serão diferentes das esperadas.
    Talvez nosso erro esteja em uma coerência acomodada. Esperar sem agir!
    Gostei desse teu escrito
    Un beso

    ResponderExcluir
  3. as vezes nos adiantamos em problemas (que nem irão acontecer muitas vezes)e aí sim, acabamos criando um problema de verdade.
    se fosse minha filha eu matava...

    ResponderExcluir
  4. Nossa flor..
    Que texto...

    Que coisa né..

    Qdo somos crianças não entendemos tantas coisas.. e por incrível que pareça.. hoje, depois de adultas continuamos sem entender, não é mesmo???

    E as memórias.. caramba... são coisas absurdas mesmo né.. nos transportam para outro lugar em fração de segundos.. se bobearmos.. esquecemos de tudo e continuamos nelas...

    Lindo flor..
    Amei..

    Um super beijo e ótimo dia!!!

    ResponderExcluir
  5. Mylla, o nome do blog é uma espécie de homenagem ao Chico Buarque que tem uma música com o mesmo nome! :))E também porque tem tudo a ver comigo, que sonho até acordada! \o/

    ResponderExcluir
  6. queria,
    linda recordação, comovente.

    a lembrança é um presente do passado.


    beijos,
    denison

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto, acho que todos já passamos por isso. Ah e o nome de blog, uma das mai belas músicas de Chico Buarque, na verdade ela que me trouxe até vc!
    Bju moça!

    www.tiagofagner.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Du, eu realmente não sei o que dizer. As palavras não saem, apenas as lágrimas rolam de saudade por aqui... Vc conseguiu mexer com todas as emoções...
    Duuuuuuuu... Lindo, lindo e lindo!!
    Amei!!
    Bejinhos, eu te amo garotinha!!

    ResponderExcluir
  9. Oi, Du!

    Esse tipo de incoerência nos deixa pasmos, mesmo. Somos mesmo seres complexos, cheios de contradições e equívocos.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  10. Isso me lembra a história de Édipo. Da mitologia grega. Ou seja, não fuja do seu destino. Ele te acha da mesma forma

    ResponderExcluir
  11. Du,
    Coloquei uma linda postagem com poesias de autores consagrados e umas imagens de tirar o fôlego.Passe lá no Compartilhando as Letras.
    Beijão

    ResponderExcluir
  12. Dú,

    Também não entendo isso: muitas vezes sabemos que um meropaliativo não é, nem de longe, a solução ideal para um problema, mas, mesmo assim arriscamos e seguimos com o plano que, de momento, parece perfeito.

    Acho que só apredemos que encarar a verdade é o melhor caminho com o tempo e com os rros. Pensando bem, um vem com o outro, naturalmente.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. A vida, algumas vezes, lembra-me uma sucessão de erros, - a maioria deles impulsionados por um medo que só tem explicação no lado nebuloso da mente de cada indivíduo.

    Adorei esse texto que, convidando à reflexão, remeuteu-me a algumas memórias.

    Bjs e inté!

    ResponderExcluir
  14. Não sei como não vim antes aqui, mas não importa...
    Acho que precisava mesmo era ler sobre luta e fuga, assim e hoje.

    O olhar da fotografia é quase definitivo, fatal.

    Tua escrita é um tiro certeiro que entra macio, generoso e fraturante ao mesmo tempo.

    Um abraço e muito prazer.

    ResponderExcluir
  15. Lindo, Du, lindo!!! Esse texto acabou me remetendo a infância e algumas coisas que fiz. Minha mãe sofreu muito comigo, mesmo!

    ResponderExcluir
  16. q graça! adoro memórias infantis, são tema de mta coisa q escrevo.

    parabéns. (:

    ResponderExcluir
  17. Lembrei agora de ter te perguntado como era a tua mãe e tu ter dito pra eu ler um texto do blog que daria um pouco pra entender.
    Entendi mais ou menos.

    Adoro histórias. Adoro histórias da infância. São elas que explicam muito que somos e fazemos.

    E sim, é possível cometermos os mesmos erros a vida inteira. O importante é errar sempre na tentativa de acertar, penso eu.

    Beijos, Duzinha
    Eu amo você!

    ResponderExcluir

^ Suba