Fragmentos de Martha Medeiros

27/02/2010



Sumi

"Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico mudo quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro antes, durante e depois de te encontrar.
Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar.
Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência, pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua desajeitada e irrefletida permanência."

A Todos

"A todos trato muito bem, sou cordial, educada, quase sensata, mas nada me dá mais prazer do que ser persona non grata expulsa do paraíso, uma mulher sem juízo, que não se comove com nada, cruel e refinada que não merece ir pro céu, uma vilã de novela mas bela, e até mesmo culta, estranha, com tantos amigos e amada, bem vestida e respeitada.
Aqui entre nós, melhor que ser boazinha é não poder ser imitada."

Eu

"Eu triste sou calada
Eu brava sou estúpida
Eu lúcida sou chata
Eu gata sou esperta
Eu cega sou vidente
Eu carente sou insana
Eu malandra sou fresca
Eu seca sou vazia
Eu fria sou distante
Eu quente sou oleosa
Eu prosa sou tantas
Eu santa sou gelada
Eu salgada sou crua
Eu pura sou tentada
Eu sentada sou alta
Eu jovem sou donzela
Eu bela sou fútil
Eu útil sou boa
Eu à toa sou tua."

(trecho de O Divã)

"Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos, um filme mais ou menos ,um livro mais ou menos.
Tudo perda de tempo.
Viver tem que ser perturbador, é preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados, e com eles sua raiva, seu orgulho, seu asco, sua adoraçao ou seu desprezo.
O que não faz você mover um músculo, o que não faz você estremecer, suar, desatinar, não merece fazer parte da sua biografia."

Sou

"Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto
Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura"

Quem você pensa que é?

"Quem você pensa que é?"
perguntou pra mim de queixo em pé...
Sou forte,
fraca,
generosa,
egoísta,
angustiada,
perigosa,
infantil,
astuta,
aflita,
serena,
indecorosa,
inconstante,
persistente,
sensata e corajosa,
como é toda mulher,
poderia ter respondido,
mas não lhe dei essa colher"

Tristeza

“Tristeza é quando chove
quando está calor demais
quando o corpo dói
e os olhos pesam
tristeza é quando se dorme pouco
quando a voz sai fraca
quando as palavras cessam
e o corpo desobedece
tristeza é quando não se acha graça
quando não se sente fome
quando qualquer bobagem
nos faz chorar
tristeza é quando parece
que não vai acabar”

Sobre aprender

"Desaprender para aprender. Deletar para escrever em cima.
Houve um tempo em que eu pensava que, para isso, seria preciso nascer de novo, mas hoje sei que dá pra renascer várias vezes nesta mesma vida. Basta desaprender o receio de mudar"

(Coisas da Vida-A importância de perder peso-pág 170)

"Vamos deixar para sofrer pelo que é realmente trágico, e não por aquilo que é apenas um incômodo, senão fica impraticável atravessar os dias"


Homens e mulheres

"Há homens que têm patroa.
Há homens que têm mulher.
E há mulheres que escolhem o que querem ser."

(-A minha felicidade não é a sua-)

"Toda felicidade é construída por emoções secretas. Podem até comentar sobre nós, mas nos capturar, só com a nossa permissão."

(trecho de O Divã)

"Vida é memória.
Dei pra pensar que tudo que há de mais vivo em mim foi aquilo que já se foi.
As pessoas mais importantes foram as que ficaram."

O Silêncio

"O único silêncio que perturba,é aquele que fala. E fala alto. É quando ninguém bate à nossa porta,não há emails na caixa de entrada, não há recados na secretária eletrônica e, mesmo assim, você entende a mensagem."

Quebra-cabeça

"Não passam as dores, também não passam as alegrias. Tudo o que nos fez feliz ou infeliz serve pra montar o quebra-cabeça da nossa vida, um quebra-cabeça de cem mil peças. Aquela noite que você não conseguiu parar de chorar, aquele dia que você ficou caminhando sem saber para onde ir, aquele beijo cinematográfico que você recebeu, aquela visita surpresa que ela lhe fez, o parto do seu filho, a bronca do seu pai, a demissão injusta, o acidente que lhe deixou cicatrizes, tudo isso vai, aos pouquinhos, formando quem você é. Não há nenhuma peça que não se encaixe. Todas são aproveitáveis. Como são muitas, você pode esquecer de algumas, e a isso chamamos de "passou". Não passou. Está lá dentro, meio perdida, mas quando você menos esperar, ela será necessária para você completar o jogo e se enxergar por inteiro."


Martha Medeiros (1961) é gaúcha de Porto Alegre, onde reside desde que nasceu. Fez sua carreira profissional na área de Propaganda e Publicidade, tenho trabalhado como redatora e diretora de criação  em vária agências daquela cidade. Em 1993, a literatura fez com que a autora, que nessa ocasião já tinha publicado três livros, deixasse de lado essa carreira e se mudasse para Santiago do Chile, onde ficou por oito meses apenas escrevendo poesia.




De volta ao Brasil, começou a colaborar com crônicas para o jornal Zero Hora, de Porto Alegre, onde até hoje mantém coluna no caderno ZH Donna, que circula aos domingos, e outra — às quartas-feiras — no Segundo Caderno. Escreve, também, uma coluna semanal para o sítio Almas Gêmeas e  colabora com a revista Época. 

Seu primeiro livro, Strip-Tease (1985), Editora Brasiliense - São Paulo, foi o primeiro de seus trabalhos publicados. Seguiram-se Meia noite e um quarto (1987), Persona non grata (1991), De cara lavada (1995), Poesia Reunida (1998), Geração Bivolt (1995), Topless (1997) e Santiago do Chile (1996).  Seu livro de crônicas Trem-Bala (1999), já na 9a. edição, foi adaptado com sucesso para o teatro, sob direção de Irene Brietzke. A autora é casada e tem duas filhas.

Biografia: Releituras

12 comentários:

  1. Oi Du...estamossumios né...rsrs...Além de bonita ela escreve muito não é mesmo...de vez em quando esbarro em textos dela pela net...
    Gostei deste aqui...

    Desaprender para aprender. Deletar para escrever em cima.
    Houve um tempo em que eu pensava que, para isso, seria preciso nascer de novo, mas hoje sei que dá pra renascer várias vezes nesta mesma vida. Basta desaprender o receio de mudar"

    Um abraço na alma...bjo...bom fim de semana

    ResponderExcluir
  2. Desculpa o teclado...estamos sumidos...rsrs

    ResponderExcluir
  3. Adoro poesias, pensamentos, poemas, criticas, etc.
    Acho que o Brasil tem muitos escritores bons [no passado e no presente], só temos que procura-los.

    ResponderExcluir
  4. Amei os textos, e peço licença para aproveitar a inspiração.
    Realmente me tocou =)
    Um grande beijo pra vc Du.
    Depois passa lá pra ver como ficou!

    ResponderExcluir
  5. Os textos da Martha Medeiros são modernos e traduzem muito bem aquilo que pensamos de muitas coisas, sou grande admiradora dela.
    beijos, ótima semana

    ResponderExcluir
  6. Martha Medeiros escreve com a alma e o coração!!
    Uma das melhores escritoras da atualidade!!

    Beijos Duzinha

    ResponderExcluir
  7. Pelo que me diz respeito (...) lá do alto do telhado pula quem quiser, só o gato que é gaiato cai de pé.
    Esse texto não é de Martha Medeiros. É a letra da música "GATO GAIATO", composta por Jean Garfunkel, Paulo Garfunkel e Prata. A primeira vez que eu ouvi esta música, foi no ano de 1986 (se não me engano) no FERCAPO (festival de música em Cascavel - PR). Atualmente ela é interpretada por Zizi Possi, aliás numa interpretação horripilante que não faz justiça à música que é belíssima.
    Sei que vc copiou tudo de um outro blog igualzinho, com trechos e fragmentos de Martha Medeiros, mas esse texto, não, não é dela.
    Vamos dar o crédito a quem é de direito. Fica mais bonito!

    ResponderExcluir
  8. Claudina, obrigada pela informação, vou retirar o texto que você citou dos fragmentos sem dar o devido crédito porque afinal, o post trata de Martha Medeiros.
    E não, não copiei igualzinho de outro blog, pesquisei pela web textos dela. Infelizmente "Pelo que me diz respeito" estava creditado à Martha e eu acabei trazendo pra cá, confiando na fonte.

    Mais uma vez agradeço sua colaboração, seja sempre bem-vinda aqui.

    ResponderExcluir
  9. http://www.pensador.info/poesia_da_martha_medeiros_de_amor/

    Quando eu disse que vc havia copiado de outro blog, quis dizer que no outro blog este texto também é atribuido a Martha Medeiros, portanto você não tinha como saber que fora atribuído a ela sem ser. Inclusive no próprio Blog de Martha Medeiros, este texto aparece, sem dar a autoria verdadeira.

    Não estou te criticando por não ter creditado a quem é de direito, até pq vc não sabia. Como vc disse, acabou trazendo confiando na fonte, de boa-fé.

    Não vivo a procurar os defeitos dos outros sem olhar os meus (tenho bem mais coisas pra fazer da vida). E sim, sou professora mesmo. Professora universitária.

    ResponderExcluir
  10. Adoro os textos da Martha Medeiros!
    Ajuda pensar na vida de várias formas!! =)
    beeijos

    ResponderExcluir
  11. Ah, adoro dos texto dela, porque ela usa as palavras certas *-*

    ResponderExcluir
  12. http://porissoteliguei.blogspot.com/

    ResponderExcluir

^ Suba