Há 40 anos o mundo perdia uma das vozes mais encantadoras - Janis Joplin!

03/10/2010


Janis Joplin esteve no Brasil em fevereiro de 1970, na tentativa de se livrar do vício da heroína

Há 40 anos o mundo perdia uma das vozes mais encantadoras, Janis Joplin morre de overdose de heroína em 4 de outubro de 1970, em Los Angeles, Califórnia, com apenas 27 anos. Foi cremada no cemitério-parque memorial de Westwood Village, em Westwood, Califórnia, e numa cerimônia, suas cinzas foram espalhadas pelo Oceano Pacífico.

O álbum Pearl foi lançado 6 meses após sua morte. O filme The Rose, com Bette Midler no papel de Janis Joplin, baseou-se em sua vida.

Janis Joplin esteve no Brasil em fevereiro de 1970, na tentativa de se livrar do vício da heroína. Durante a sua estada, fez topless em Copacabana, bebeu muito, cantou em um bordel, foi expulsa do Hotel Copacabana Palace por nadar nua na piscina e quase foi presa, pelas suas atitudes na praia, consideradas "fora do normal".

Como era época de carnaval, tentou participar de um desfile de escola de samba, porém teve acesso negado por um segurança que desconfiou de sua vestimenta hippie. Especula-se que, antes de voltar para os Estados Unidos, teve uma breve relação amorosa com o roqueiro brasileiro Serguei.

Ela hoje é lembrada por sua voz forte e marcante, bastante distante das influências folk mais comuns em sua época, e também pelos temas de dor e perda que escolhia para suas músicas.

Janis nasceu na cidade de Port Arthur, Texas, nos Estados Unidos. Ela cresceu ouvindo músicos de blues, tais como Bessie Smith e Big Mama Thornton e cantando no côro local. Joplin concluiu o curso secundário na Jefferson High School em Port Arthur no ano de 1960, e foi para a Universidade do Texas, na cidade de Austin, onde começou a cantar blues e folk com amigos.

Cultivando uma atitude rebelde, Joplin se vestia como os poetas da geração beat, mudou-se do Texas para San Francisco em 1963, morou em North Beach, e trabalhou como cantora folk. Por volta desta época seu uso de drogas começou a aumentar, incluindo a heroína. Janis sempre bebeu muito em toda a sua carreira, e sua preferida era a bebida Southern Comfort. O uso de drogas chegou a ser mais importante para ela do que cantar, e chegou a arruinar sua saúde.

Depois de retornar a Port Arthur para se recuperar, ela voltou para San Francisco em 1966, onde suas influências do blues a aproximaram do grupo Big Brother & The Holding Company, que estava ganhando algum destaque entre a nascente comunidade hippie em Haight-Ashbury. A banda assinou um contrato com o selo independente Mainstream Records e gravou um álbum em 1967. Entretanto, a falta de sucesso de seus primeiros singles fez com que o álbum fosse retido até seu sucesso posterior.

O destaque da banda foi no Festival Pop de Monterey, com uma versão da música "Ball and Chain" e os marcantes vocais de Janis. Seu álbum de 1968 Cheap Thrills fez o nome de Janis.

Ao sair da banda Big Brother, Janis formou um grupo chamado Kozmic Blues Band, que a acompanhou em I Got Dem Ol' Kozmic Blues Again Mama! (1969). O grupo se separou, e Joplin formou então o Full Tilt Boogie Band. O resultado foi o álbum Pearl (1971), lançado após sua morte, e que teve como destaque as músicas "Me and Bobby McGee" (de Kris Kristofferson), e "Mercedes-Benz", escrita pelo poeta beatnik Michael McClure.


9 comentários:

  1. Não sabia da história assim, tão detalhada. Bacana! Puxa vida a solidão que ronda o sucesso leva cada vez mais as drogas. Uma pena,gente tão talentosa morrer tão jovem né?! Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  2. Janis é uma de minhas cantoras preferidas, fiz um post sobre ela faz um tempo. Comecei a ouví-la depois de ver uma matéria em um programa de música, e rapidamente me tornei fã. Como muitos, penso que ela morreu jovem, mas será que, se tivesse tido uma vida regrada e etc, teria sido a mesma Janis, artisticamente falando?

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Janis! A branca de voz negra! Quando tenho vontade de me espivitar, eu ouço a Janis e grito junto com ela. hehehe. Meu exorcismo preferido!

    ResponderExcluir
  4. Também fizemos uma pequena homenagem a Janis Joplin que faleceu no dia 4 de outubro de 1970, gostaríamos que conhecesse o nosso blog e a nossa banda. O Rock Prevalece!

    ResponderExcluir
  5. JAnis joplin é um desses artistas, icones da musica mundial que nao tm continuação, nao tem sucessor, nao repeteco. Numa carreira tao jovem em meio a uma vida tao tribulada e em uma epoca especial, conseguiu firmar-se como uma lenda!
    Conheci as musicas de Janis por conta de um especial e desde entao, nao deixo de te-la em meu repertorio.
    Bjos, Du!

    ResponderExcluir
  6. Du... Janis Joplin, a inesquecível... De vez em quando solto meus bichos com ela... Ligo no máximo o som e canto junto. Aquela voz permanece viva em mim...

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  7. Taí uma moça interessante, minha cara: veio do 'folk', namorou o 'blues' e rockarizou e barbarizou a cena musical dos 60 para os 70! Só discordo de você em dois pontos: aquele jeito tresloucado de cantar ficou muito mais para contestadora do que para encantadora... E não se especula sobre seu caso com Sergei: eles tiveram um pega legal aqui no Brasil! E foi o próprio Sergei que me contou, numa viagem de ácido pra lá de Saquarema... Abração!

    ResponderExcluir
  8. 'Meus heróis morreram de overdose...'

    Janis Joplin é PHODA! O segundo post do meu blog foi sobre ela, e até hoje, quase cinco anos depois um monte de gente chega ao blog procurando por ela, através desse post.

    =*

    ResponderExcluir

^ Suba