Conectados pela Alma

27/06/2013


Alguém aí já sentiu na pele um amor que começa sem paixão?
Quando a gente não conhece uma pessoa, e sim, a reconhece?
Quando acontece uma identificação imediata, uma afinidade sem explicações...
Alguém aí já viveu ou sentiu algo assim, com reciprocidade?

Você encontra alguém da forma mais inusitada possível e sente que aquela pessoa já faz parte da sua vida há muito tempo.
Mas como, se em tese, você mal a conhece?

Você ouve a voz dela e é como um bálsamo para seus ouvidos.
Você ouve a voz dele e não tem vontade de desligar.
Se ele demora para aparecer, você fica preocupada, aflita.
Se ela some, você a procura, sente falta, quer notícias.
Sentem um carinho sem medidas, um amor que pede presença, mesmo que distante.

Estão conectados pela alma, de uma forma como nunca aconteceu antes.

Mas eles sabem que não vieram ao mundo para ficarem juntos.
Eles sabem que não podem, que não devem, que estão em épocas diferentes, separados pelo destino de forma talvez, proposital.

E mesmo tendo essa consciência ainda se amam, de verdade.
Alguém aí entende um amor que começa sem paixão?
A paixão cega, desnorteia, sufoca, oprime e quer posse.
Esse tipo de amor não quer e nem precisa de nada disso.
Ele tem paz, tem serenidade, tem desapego, tem saudade.

Você pensa em algo e ela já está escrevendo, exatamente o que você pensou.
Você pensa nela e ela te chama, no mesmo instante.

Poderiam ser irmãos, amigos ou amantes.
Poderiam, mas o destino não quis.
E neste caso não vale o livre-arbítrio.

Eles se reconheceram na distância e assim permanecerão.
Talvez em outra vida eles possam se encontrar de novo e transformar este amor.

Talvez eles possam até, quem sabe, viver esse amor?

[ Republicando - Dulce Miller ]


Imagem daqui

11 comentários:

  1. Ei.. tem selo pra você lá meu blog

    :)


    http://speakingbymusic.blogspot.com/p/1-selo.html

    ResponderExcluir
  2. Interessante o texto...

    Acho que a flexibilidade de pensamento e abertura para algo novo pode aproximar todos aqueles que sentem algo mais que amizade.

    ResponderExcluir
  3. Lindo, lindo texto, e tão verdadeiro... Eu reconheço, Du, me reconheci em cada linha. Mas, no nosso caso (meu e do meu amor), acredito que essa é a vida que Deus escolheu para ficarmos juntas.

    Não está fácil e acredito que vai demorar um tempo até ser fácil (se é que será). Talvez nunca seja fácil para esses amantes distantes, ligados pela alma mais que pelo corpo. Mas eu acredito que nosso amor prevalecerá.

    Beijos, Duzinha.

    ResponderExcluir
  4. Querida Du...

    Cada dia mais, tenho observado e encontrado pessoas com quem tenho enorme afinidade de alma, mas que se mostram impossíveis pra mim!

    São os tais amores intocáveis de que tanto falo e que nos ensinam, mais e mais, todos os dias!!

    Ensinam, principalmente, a evoluirmos em nossa forma de amor!

    "Deixa assim ficar subentendido..."

    Beijos, amei suas palavras, como sempre!

    ResponderExcluir
  5. Oi Du, Simplesmente lindo!! Bjs..sigo te acompanhando em pensamentos positivos e a medida que posso pelo teu maravilhoso blog.
    Clélia

    ResponderExcluir
  6. ah, eu quero uma alma assim!
    existe?
    existe?
    bj, Du!

    ResponderExcluir
  7. Ah, eu estou assim, recomeçando uma paixão... Recomeçando um amor... Será que consigo?! rs...

    Ain, Du... Não há ninguém que escreva tão lindamente e tocando assim em mim!!^^

    Beijos linda!^^

    Boa semana

    ResponderExcluir
  8. Preciso dizer, de novo, que eu AMO esse texto?

    ResponderExcluir
  9. Que pena, não, cara amiga-relicário?! Mas a vida é mesmo assim: dá e tira ao mesmo tempo, quando mais precisamos e mais nos achamos perto da tal felicidade... Também já vi amor assim pertinho de mim: quando não é pra ser... Abração, minha caríssima!

    ResponderExcluir
  10. Hummm, penso que existem muitas nuances de amor, mas, bonito e bom mesmo é quando amor e paixão andam juntos e combinados, afinados, equilibrados, de modo a encher o coração e a alma, os pensamentos e gestos, tanto de doçura quanto de calor!...(de preferência, sem lugar para sentimentos infantis de posse e ciúme). Amor verdadeiro, pleno, maduro é o que deseja o crescimento e felicidade, a liberdade, do ser amado, tanto quanto deseja tudo isso para si. Abraços alados!

    ResponderExcluir

  11. Eu encontrei! Senti esse clic!
    Mas é impossível...Só noutra incarnação, mas vou esperar!
    Abraço amigo Célia Sousa;

    ResponderExcluir

^ Suba