A complexidade da plenitude...

02/10/2012


A plenitude do nada é o cúmulo da incoerência.

E o que resta? Eu -  divagando, pensando... e tentando entender o fluxo da vida.
Em vão.

Incoerências à parte, meu coração está pleno de amor e o resto é como diz o próprio nome: resto.
A complexidade da plenitude é simples, é felicidade gratuita existente no ínfimo de todas as coisas.

O nada pode ser TUDO, porque "nada" é para sempre (é o que dizem).
Percebem?

[Dulce Miller]

imagem daqui

2 comentários:

  1. Tentando perceber. Querendo captar.
    Beijos, minha querida!

    ResponderExcluir
  2. Com o coração pleno nem é justo pensar na validades das coisas... rs. Beijus,

    ResponderExcluir

^ Suba