O amor é real e tem um número!

27/12/2011

Qual a primeira palavra que vem na sua mente quando você olha para esta imagem?



A primeira palavra em que pensei foi AMOR. E junto com a palavra, algumas reflexões...

Eu já amei muito, de todas as formas possíveis e sempre errado. Tudo bem, eu aprendi na mesma proporção em que amei. Acho até que precisava mesmo passar por tudo o que passei, tipo chorar todo o santo dia e durante um ano inteiro, por alguém que dizia me amar e que eu julgava amar acima de todas as coisas. Só que não era amor, era desespero.

Geralmente o que provoca muita dor é mais difícil de esquecer e acabamos por confundir sofrimento com amor. Achamos que amamos demais, porque sofremos demais.

Depois de tanto amar errado, joguei a toalha e me revoltei contra aquilo que todos e eu mesma entendia por amor. Cheguei a conclusão que amor era utopia, que só existia na imaginação fértil de pessoas sonhadoras, coisa de novela, filmes, livros...

Então eu estava finalmente livre das amarras desse sentimento devastador e insano, livre! O fantasma do amor que só me fazia dar cabeçadas e pontapés na vida não me perturbaria mais, eu estava imune. E assim fiquei, durante muito tempo.

Mas Deus às vezes é engraçado! Quando eu pensei que já tinha todo o discernimento suficiente para nunca mais me deixar trair pela utopia, Ele chega e diz:

"Minha filha, agora chegou a sua vez, vou lhe mostrar porque você precisa entender que o amor existe sim, que está vivo e pulsando dentro de você. Agora você será amada apesar e acima de todas as suas imperfeições e fraquezas. Chegou a sua vez de compreender que o amor é DOIS."

Então, assim sem mais nem menos, quando eu não esperava por mais ninguém estando muito bem comigo mesma, o amor chegou arrebentando as correntes que me prendiam ao erro.

Eu já ouvi muitos "eu te amo" no decorrer da minha vida, mas nunca como dessa vez! Quando duas pessoas parecem estar fundidas em um só corpo, tamanha é a afinidade e a verdade do sentimento. É uma sensação que eu julguei não existir. Hoje eu sei que o amor não pode rimar com dor. Amor de verdade não dói, não faz sofrer, muito antes pelo contrário. O amor de verdade faz com que experimentemos uma estranha sensação, uma mistura bem equilibrada de paz, felicidade e liberdade. É cumplicidade, reciprocidade e acima de tudo, amizade. Hoje eu acredito.
O amor é real e é... Dois!

[(Du)lce Miller]
Imagem daqui

5 comentários:

  1. Então acho que nunca amei de verdade. E estou como vc estava, joguei a toalha para o amor. Não acredito nele não.
    Que bom que vc encontrou e comprovou que o amor existe.
    Ainda não encontrei, o meu ainda rima com dor!!!
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  2. Independente de acreditarmos ou não, queremos sentir ou não, o amor existe. Basta que sejamos flechados.
    No seu caso acho que a flecha foi certeira e atingiu os dois ao mesmo tempo.

    :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Tudo tem seu momento certo, mas uma coisa eu posso garantir amor para "mim" é só uma vez, aquela que sentimos tudo ao mesmo tempo, que deixamos rolar, se o sofrimento bater depois, a única certeza que eu amei...e nada foi em vão...(vou escrever como título no meu blog Eu amei e nada foi em vão...hahahaha...adorei!!!)
    Desejo um 2012 maravilhoso e cheio de amor!
    Paz e bem

    ResponderExcluir
  4. É exatamente isso, Du: amor não faz sofrer.
    E se fizer, tem que ver isso aí.

    ResponderExcluir
  5. É exatamente isso, Du: amor não faz sofrer.
    E se fizer, tem que ver isso aí.

    ResponderExcluir

^ Suba