23 de abr de 2012

E ela está em seu castelo...


Meninas românticas crescem acreditando em contos de fadas. Logo se transformam em mocinhas sonhadoras a espera do príncipe encantado disfarçado de DJ em alguma festa, ou num colega de escola, ou alguém que vai estar sutilmente a espera dela na fila do supermercado... enfim, não importa onde nem quando, mas ela acredita mesmo que vai encontrá-lo, casar com ele e ser feliz para o resto da vida, cuidando dos filhos lindos que vão ter, uma menina e um menino.

O tempo passa como deve ser, a mocinha se apaixona perdidamente pelo príncipe escolhido por ela, sem se importar muito com o fato dele ser viciado em drogas, não estudar, não ter uma boa relação com a família... mas e daí, se ele diz coisas que fazem o coraçãozinho dela querer saltar do peito? E daí, se ele beija de um jeito que a deixa enfraquecida? E daí se ele é estúpido com ela quando se irrita com a capacidade que ela tem de amá-lo quando não devia?

Ela acredita mesmo que tudo é justificado pelo amor. Então ela insiste em cultivar uma relação que já nasceu sem querer viver, porque prefere acreditar.

O problema das mocinhas é justamente esse, acreditar. De um dia para o outro o príncipe vira sapo e ela não quer mais beijá-lo ou pior, o príncipe desiste e vai embora sem olhar para trás, sem dó do sofrimento e da saudade dela. 

As mocinhas geralmente vão se tornando adultas na medida das suas decepções... ou não!
Uma mulher pode optar por continuar acreditando em contos de fadas, depende do quanto ela já cansou de sofrer. O problema é que algumas mulheres nunca cansam de acreditar em finais felizes.

Eu confesso: sou daquelas que acham que o amor justifica tudo (ou quase tudo)...

Talvez na hora da minha morte, se eu tiver tempo para pensar em algo, com certeza vai ser no amor que eu ainda não tenha vivido até aquele instante, justamente porque nunca deixei de acreditar. Ou quem sabe, eu vá agradecer a Deus e ir em paz, porque tive todo o amor que queria ter na vida, porque acreditei.

O que eu sei é que sempre dei o melhor de mim, sem arrependimentos. 
Os sonhos vem e vão. 
Assim é a vida. 
A minha vida.

[Dulce Miller]
Imagem daqui



A música que inspirou este texto está no vídeo.


5 comentários:

  1. Já fui uma sonhadora, achando que o principe encantado ia me salvar, me levar para ir com ele e me amar para o resto da vida. Mas depois de tantos sofrimentos e decepções não acredito mais. Sim, o amor ainda acredito. Mas ainda não chegou para mim, aquele amor verdadeiro, forte, de duas pessoas amando simultaneamente. Então posso dizer: será que já amei??? Não sei... Vamos seguindo e esperando para ver o que acontece!
    Adorei sua postagem!
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  2. Sou sonhadora, mesmo quebrando a cara tantas vezes.
    Viver sem amar parece desperdício, de vida.
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Du,
    Eu sou uma sonhadora com os pés no chão.
    Desconfio de tudo e dou até "patada" sem querer,rs.
    Culpa dos sapos...rs
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Somos mesmo umas românticas incorrigíveis... apesar das decepções e dos desencontros estamos sempre com o coração aberto, esperando pelo príncipe encantado. Não importa a idade, nem a fase da vida que se vive, acredito que estamos sempre querendo que nosso coração bata descompassado pelo amor.

    Boa semana!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Esse texto é repostagem?
    Tô com a impressão de já ter lido ele (sic!).

    Como diria nossa querida Amélie: 'são tempos muito difíceis para os românticos'.

    =*

    ResponderExcluir

 

a moça do sonho Template by Ipietoon Cute Blog Design and Waterpark Gambang