Poemando: Anjo Triste

07/06/2012



Anjo Triste

O tempo é um rio sem nascentes
corre incessantemente para a eternidade
mas
em inesperados trechos de seu curso
o nosso barco se afasta
e vai
para algum lugar
feito de antigas águas passadas
e só Deus então
sabe o que vai nos acontecer.

Talvez sejamos como náufragos
num oceano sem fim,
tentando chegar as margens
dos verdadeiros sentimentos...

Talvez sejamos como uma ostra
em uma concha fechada
e não nos resta nem o consolo
de estar produzindo uma pérola rara...
Entre o sonho e a realidade
entre a vida e a morte,
cai a sombra.

Entre esta sombra e a claridade
eu vivia
sem, aparentemente
ter outra ambição,
do que a de manter a paz
e a solidão...

[ Dulce Miller ]



Imagem daqui

2 comentários:

  1. rios sem nascentes que nos levam num pequeno barco a um oceano de águas diferentes, e entre calmarias e tempestades nos aproxima e nos afasta de margens nunca tocadas, as mesmas que buscamos e tememos, as mesmas sentimos e morremos, as mesmas que vivemos.

    Abração Du!

    ResponderExcluir
  2. Sempre, ainda que involuntariamente corremos atrás destas nascentes, de sentimentos, tristes ou não. O curso dos rios é tal qual a nossa vida, não retorna.

    ResponderExcluir

^ Suba