18 de nov de 2012

Arrebatamento, transmutação...


Hoje eu quero teu colo, sou criança e isto ainda é pouco, sinto esta falta de ti que consome até o fundo das minhas piores ou melhores convicções… Me corta o coração uma palavra ou gesto teu desavisado e me pega de jeito esse teu jeito, sem jeito e desastrado.

Nós só precisamos de tempo, mais nada... disseste e repetiste aos ventos norte e sul, mas eu não quis ouvir, teimosa que sou.

E agora, frio e calor vendo a mensagem tua com todas as letras, ponto de exclamação e aspas dizendo sem aviso ao meu coração esquecido até então, um "eu te amo!" sem dó da minha aflição.

Lembro então que além do céu o mundo todo é azul e choro, choro...

...as palavras de amor mais usadas no momento são "sorriso e cara de bobo"... dois bobos, é o que somos!

E fizeste a beleza renascer em mim, reacendendo desejos esquecidos na porta dos dizeres mal tecidos, em fios de saudade e só.

Tu és meu em sonhos de sofreguidão.
Tu és meu na xícara de café quente e doce.
Estás presente no cheiro do sabonete e como pasta de dente, estás na minha boca.
Estás na tela da televisão olhando de soslaio para mim, desconfiado.
Estás na poça d'água onde molhei os pés hoje tão distraída.
Estás no tic-tac intermitente e irritante do relógio na parede da cozinha.
Estás perdido entre meus lençóis e não te encontro no aconchego do meu travesseiro.
Estás em mim como a luz piscando, procurando nos vãos da memória de ontem.

Somos adultos... mas e daí?

Te quero como uma criança quer o melhor doce da padaria.
Te quero como o bispo a religião.
Como um índio à sua terra.
Como um teatro à platéia.
Como Isolda queria Tristão...


[Dulce Miller]

 
A LENDA:
O mito de Tristão e Isolda foi retratado de diferentes maneiras na Idade Média. Em linhas gerais a estória pode ser descrita assim:
Tristão, excelente cavaleiro a serviço de seu tio, o rei Marc da Cornualha, viaja à Irlanda para trazer a bela princesa Isolda para casar-se com seu tio. Durante a viagem de volta à Grã-Bretanha, os dois acidentalmente bebem uma poção de amor mágica, originalmente destinada a Isolda e Marc. Devido a isso, Tristão e Isolda apaixonam-se perdidamente, e de maneira irreversível, um pelo outro. De volta à corte, Isolda casa-se com Marc, mas Isolda e Tristão mantêm um romance que viola as leis temporais e religiosas e escandaliza a todos. Tristão termina banido do reino, casando-se com Isolda das Mãos Brancas, princesa da Bretanha, mas seu amor pela outra Isolda não termina. Depois de muitas aventuras, Tristão é mortalmente ferido por uma lança e manda que busquem a Isolda para curá-lo de suas feridas. Enquanto ela vem a caminho, a esposa de Tristão, Isolda das Mãos Brancas, engana-o, fazendo-o acreditar que Isolda o traiu. Tristão morre, e Isolda, ao encontrá-lo morto, morre também de tristeza.

2 comentários:

  1. Belo... doce... sensual... excitante!...
    Uma delicia ler vc!

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  2. oiii!Prazer,Ingritt!
    É a primeira vez que lhe visito, mas ja me apaixonei!Amei o texto, as rimas, o contexto...
    Lindo!
    "E agora frio e calor[...], um "eu te amo" sem dó da minha afliçao"
    fez-me lembrar de uma amiga minha , que sofre por amor e tudo que ele traz ou nao!
    Gostei até de conhecer a lenda,muito interessante!
    bjs e até mais!

    http://nemsempreeperfeito.blogspot.com/

    ResponderExcluir

 

a moça do sonho Template by Ipietoon Cute Blog Design and Waterpark Gambang