26 de mai de 2013

Vulneravel(mente), sós.


Ele queria se perder, ele podia manter-se daquela forma, sem definições. Ele queria sentir, mas sentir não era permitido, como se amar fizesse dele, coração partido. Nada foi premeditado, nem o sorriso dela, nem os pensamentos fixos dele(s). Nada foi consentido, nem o interesse dela, nem os devaneios dele(s). Tudo aconteceu na contra-mão, mas é claro, nada foi em vão.

Ela queria se render, mas não devia. Ela queria aquele sentimento, mas o momento não era de viver, era de morrer para toda e qualquer possibilidade. Ela não concebia o tempo, absorvia o vento como se fosse o pensamento: dele. Ele, sorvia o restante dos momentos que viviam em um mundo paralelo ao que conheciam e nem percebiam. Toda concepção da verdade, era irrealidade, não ia a lugar algum, não havia futuro, não existia lugar nenhum.

Existia a vontade e esta era toda a verdade, a única... de ambos.

[ Dulce Miller ]


imagem daqui

2 comentários:


  1. Um belo poema !
    Ela...
    Tinha o desejo de o viver!
    Mas o medo de perder, foi mais forte; E veio o vento...!
    E varreu todo o sentimento!!!

    Beijo amiga Dulce. " Célia "

    ResponderExcluir

 

a moça do sonho Template by Ipietoon Cute Blog Design and Waterpark Gambang