E se me achar esquisita...

16/04/2013

Imagem daqui

E às vezes eu sei, sou esquisita.

Preciso de café mesmo que acorde na hora do almoço, não tem jeito, é vício. Chego a ficar dias sem colocar o nariz pra fora de casa, uma perfeita anti-social. Me isolo de propósito e pior, gosto disso. Prefiro a companhia dos meus pensamentos e do silêncio que eu sempre transformo em alguma coisa… e também me refugio na música. Fujo dos meus amigos geralmente quando mais preciso deles. E choro muito. E quando crio coragem pra conversar, gosto dos puxões de orelha que me fazem acordar, porque durmo em minhas confusões e nem percebo... depois dou muita risada de mim mesma!

As pessoas que me magoaram fizeram comigo só o que eu deixei que fizessem, o difícil foi entender isto sozinha, mas no fundo, sei que tenho consciência de todas as minhas fraquezas. E certezas.

Sei o quanto consigo ser chata e teimosa. Mas quem não é? 
Eu sou assim, entre erros e acertos,  um amontoado de defeitos!
E então eu escrevo o que sinto, o que invento e o que vejo por aí… e parece que conquistei um monte de amigos sendo assim, esquisita, meio-bicho-do-mato, teimosa, chorona, impulsiva, bobona…

Tem alguma explicação pra isso? 
Não sei. O importante mesmo é que não falte café. Nem fé.




“E se me achar esquisita,
respeite também.
até eu fui obrigada a me respeitar.”
[Clarice Lispector]

^ Suba