' Os opostos se distraem '

09/06/2013



Eu li:

Descobri que preciso de um porto, de uma referência, não sei viver largada, sem rumo, não sei ser desapegada de mim e dos meus. Posso ir, mas quero sempre ter pra onde voltar e, quem abraçar... Essa sensação de não ter, de completo abandono, de não ter um porto, um lugarzinho pra encostar a cabeça depois de um dia complicado faz com que eu me perca dentro de mim. Essa vida louca de sair sem rumo e não ter ninguém que me acolha não me agrada! Liberdade é ter algo pra se prender, um canto pra te acolher... estar feliz e não ter com quem dividir é solitário de mais!

E até gostei do texto, mas não foi um espelho para mim, então fiz uma espécie de 'trova solitária'  e escrevi algo parecido usando algumas mesmas palavras, só que ao contrário:

Descobri que não preciso de um porto, de uma referência, sei muito bem viver sem rumo. Desapego fácil de mim mesma e principalmente de coisas materiais.
Preciso ir, adoro voar e nem sempre quero ter pra onde voltar, adoro abraços, mas... essa sensação de não ter, de completo abandono, de não ter um porto, um lugarzinho pra encostar a cabeça depois de um dia complicado faz com que eu me encontre em MIM, no meu silêncio reparador sem fim. Essa vida louca de sair sem rumo e não ter ninguém que me acolha é libertadora, acredite!Ter algo (ou alguém) pra me prender, um canto pra me acolher... estar feliz, ter amor e amigos com quem dividir é essencial, porém... é um egoísmo peculiar, eu sei, mas faz completude em mim.

* O título do post é uma frase que faz parte da música Realejo - O Teatro Mágico.
^ Suba