Entre e cegueira e a lucidez

26/08/2013


A vida toma proporções sem dimensão quando nos descobrimos impotentes diante de qualquer situação que seja capaz de modificar um pensamento. Certezas e convicções caem por terra, por água abaixo... seja por qualquer clichê, não importa. 

Pode levar muito tempo para que a nossa consciência assuma os riscos da ingenuidade causada pelo outro, admitida por nós, mesmo sem intenção alguma. Geralmente é inerente à nossa vontade que os acontecimentos que modificam uma vida para sempre sejam de total responsabilidade de um só ser. Há outro (s) envolvido (s), e toda a tristeza e / ou alegria causadas pela verdade dos fatos, é como um facho de luz na escuridão da alma que até então, era movida pela mentira. 

Tristeza por descobrir que a ilusão causada era máscara em forma de palavras, gestos e atitudes. Alegria por finalmente acordar e enxergar o que sempre deveria ter sido óbvio e claro, mas não era... 

A questão hoje é que o que importava, não importa mais. A lucidez impregnada deixou despertos todos os sentidos e o que ficou, foi uma espécie de defesa contra a própria dor infiltrada e agora, finalmente despida. 

Auto proteção. Aprendizado. Evolução. Decepção confirmada também. 

E o perdão, por que não? 

Para mim e muitas outras pessoas é possível perdoar, sim. Agora... esquecer? Não. Nunca. 

A vida está em nossas mãos. Pensem o que quiserem, façam o que for possível, mas tenham uma reação positiva diante dos fatos que não podem ser modificados, por mais que não nos conformemos com isto. Não nos cabe questionar, simplesmente porque não adianta. Fato incontestável é que existem pessoas que simplesmente não se importam e ponto!

É difícil, eu sei... mas aprendi 'na marra' que em certas ocasiões, aceitar não é conformismo, é a opção mais saudável. 


[ Dulce Miller ]
Imagem daqui


^ Suba